Obrigado Pela Sua Confiança.



Existem certamente locais neste Mundo cujo êxito individual continuado não é suportado e cujo inconsciente colectivo desses mesmos locais aceita a ausência de pagar impostos na sua totalidade como algo establecido, aceite e praticado por uma grande maioria na sua Cultura.


No actual Mundo civilizado - por observação pessoal - áreas Profissionais aparentemente subjectivas, é vivido nestas mesmo um tremendo desperdicio de Tempo, Recursos e Energia a debater demasiadas subjectividades.


A auto-estrada da Democratização do "conhecimento", e o Políticamente correcto actual instalado, neste Mundo civilizado, creio que são os mais incísivos factores.

Talvez nas áreas supostamente subjectivas sempre assim foram e sempre assim serão deste modo.


Analisando a História, concluo que existem Eras mais ‘interessantes’ e Eras menos ‘interessantes’ em certos sectores e certas áreas Criativas em certo contexto Corporativo , e esta - na minha opinião - não é a mais assertiva e produtiva de todas, nas áreas aparentemente subjectivas – tais como a Publicidade, o Design e o Marketing.


Existem demasiadas falsas certezas aliadas à falta de Coragem de Clientes dispostos a correr riscos.


Parca existência de uma Aristocracia Empresarial, e graciosidade no Mundo Corporativo – salvas honrosas excepções, que com certeza deverão existir.

Parca Essência, parca Visão.


Faltam hoje Clientes, em certos locais - e certamente em certas áreas - com Coragem na sua visão e com Classe.


A Publicidade e o Design não tem de ser enganadora e desonesta.


A Publicidade pode ser dignamente apenas uma ponte de informação.


Uma ponte informativa e honesta – estimulante e saudavelmente persuasiva.


"A Publicidade apenas é má quando publicita maus Produtos" – eu concordo.

Mas acontece, por vezes, haver pressão dos próprios Clientes para que haja compactuação com a desonestidade.



E isso eu não o faço. Prefiro sair de cena.



A massiva flexibilidade necessária para lidar - em alguns locais - com a compactuação com a desonestidade, e de modo geral com a constante subjectividade, creio ser excessivamente deslocada do senso comum existente desde o início da Civilização.

Que fique este exemplo como um mapa para cá, em Portugal.

Que fique este exemplo como conclusões reais baseadas em experiências reais para novas e futuras gerações. 


Que o entusiasmo dos novos seja correctamente direccionado pelo cepticismo dos antigos.

Que no Futuro novas Caravelas se aventurem por Portugal.


Que se abram novas velas e que se explorem novos mares.


Obrigado pela sua Confiança.



Até sempre,


Miguel Braga